03/02/2013

Histórias sobre tralhas

Publicada por Ana Reis à(s) domingo, fevereiro 03, 2013


Tralhas servem para muita coisa. Mas gostamos especialmente daquelas que não servem para coisa nenhuma. Ou daquelas que servem apenas para nos lembrar dum breve sonho que tivemos mas que nunca nos esforçamos por cumprir.


Os livros da minha infância

Elas têm a sua função. Mas não aquela que gostamos de inventar.


Tralhas servem essencialmente para ocupar espaço e para aumentar o caos. E nesse caos esperamos (secretamente) esconder as nossas dúvidas e outras coisas que, não sendo propriamente simples, nos deixam a pensar.

Eventualmente, quando nos vemos privados de aumentar a nossa colecção de tralhas, acontecem duas coisas. Primeiro, passamos a dar valor às tralhas que já temos. E segundo, começamos a perceber que as tralhas são essencialmente desculpas.

Desculpas para não nos dedicarmos àquilo que gostávamos de nos dedicar. Desculpas para desperdiçar o nosso tempo. E tornamo-nos tão protectores das nossas tralhas que nos parece estupidamente insano livrarmo-nos delas.

Porque é quando as tralhas acabam que nós começamos. E atravessar esse limite é assustador.

Este ano decidi atravessar esse limite. Comecei por eliminar as tralhas que mantenho na minha vida e na minha casa. E não sendo propriamente uma amante do minimalismo começo a sentir na pele as vantagens. 

Começa por deitar fora o passado e deixar um espaço para que coisas novas possam entrar.

1 comentários complexos:

Marco Paulo Tavares Rocha on 4 de fevereiro de 2013 às 12:19 disse...

Ora antes de mais, muitos parabéns! ;) finalmente o blog la viu a luz do dia! em relação ao post sei bem o que isso é, não tenho tralha ate ao tecto mas a que tenho tem sempre uma marca de boas memorias e algumas não tão boas mas pronto... faz parte da vida! continua com o bom trabalho! vou ficar atento ... ;)

 

Serious Complexity Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos